Grandes devedores são 35% do problema dos créditos do Novo Banco

Dos activos no mecanismo 78% são créditos e 35% corresponde a créditos a grandes devedores. Só 41% corresponde a crédito granular. A gestão do Novo Banco apresentou ao Fundo de Resolução 107 operações relativas à limpeza dos activos problemáticos. Destas, 49 foram autorizadas tal e qual como o Novo Banco propôs, 43 autorizadas com condições fixadas pelo fundo e 15 foram rejeitadas pelo Fundo de Resolução. O responsável garantiu também que não está a haver um registo excessivo de perdas para acelerar a limpeza do banco. O Banco de Portugal não aceitou a garantia de Angola ao BESA por falta de informação, segundo a sentença do Tribunal Administrativo de Lisboa que considerou legal a resolução.

Portugueses queixam-se cada vez mais de fraude bancária

Denúncias no Banco de Portugal praticamente duplicaram em 2018 face a 2017. PGR abriu 284 inquéritos por burla com fraude bancária. Em causa estão os problemas com o crédito fácil, que está associado à prática de crimes como usura, burla, fraude fiscal, falsificação, ameaça e extorsão. Esta situação levou mesmo o Banco de Portugal a emitir um “alerta público” sobre esta situação.

Três quartos das trocas comerciais de Portugal em 2018 foram intra União Europeia

O relatório sobre o comércio internacional de bens em 2018, hoje publicado pelo gabinete oficial de estatísticas da UE, revela que 76% das exportações de Portugal destinaram-se a outros países da União (o sexto valor mais elevado entre os 28) e também precisamente 76% das importações foram oriundas de outro Estado-membro (igualmente o sexto valor mais elevado). A Espanha continuou a ser o principal parceiro comercial, representando 25% das exportações portuguesas e 31% das importações.

Bruxelas multa Google em 1,49 mil milhões por práticas abusivas na publicidade

Comissão Europeia anunciou uma multa de 1,49 mil milhões de euros à ‘gigante’ tecnológica Google por práticas abusivas na publicidade ‘online’ que condicionaram a concorrência, sendo a terceira penalização do género imputada por Bruxelas àquela companhia. Em causa estão “práticas abusivas na publicidade ‘online’, que passaram pelo uso da sua posição dominante no mercado para a intermediação de anúncios nas pesquisas”, acrescentou a responsável. Esta é a terceira multa” do género imposta à Google, seguindo-se a outras penalizações em Junho de 2017 e em Julho de 2018.

Reino Unido pede adiamento do Brexit até 30 de Junho. Bruxelas quer prazo mais longo

O pedido formal do Reino Unido para adiar a saída da União Europeia solicita a extensão do artigo 50.º do Tratado de Lisboa até ao próximo dia 30 de Junho, o que significa um pedido de adiamento de três meses face ao próximo dia 29 de Marco, a data ainda prevista na lei britânica para a concretização do Brexit. O problema é que a UE poderá não estar pelos ajustes. Segundo um documento interno, a Comissão Europeia considera que o adiamento de três meses está longe de ser a melhor solução, preferindo que este fosse várias semanas mais curto (indo no máximo até 23 de Maio), desde logo para evitar constrangimentos face à proximidade das europeias que decorrem no final de Maio, ou então substancialmente mais longo, de pelo menos um ano.

Défice externo agrava-se mesmo com turismo a crescer

Janeiro registou um aumento das receitas do turismo, que contabilizaram 851 milhões de euros, um crescimento de 8% face ao mesmo mês do ano passado. Apesar disso, o país continua a ver aumentar o seu défice externo e em Janeiro o saldo conjunto das balanças corrente e de capital foi negativo em 700 milhões de euros, um agravamento face aos 456 milhões de euros também negativos registados em Janeiro do ano passado. Em 2018 o saldo da balança corrente e de capital da economia portuguesa atingiu o peso no PIB mais baixo desde 2012, o primeiro ano em que houve excedente. A balança corrente e de capital, que traduz as contas externas da economia, desceu para 0,4% do PIB.

Grupo chinês vende participação na TAP por 49 milhões de euros

O conglomerado chinês HNA vendeu a participação de 9% que detinha na TAP através da Atlantic Gateway por 55 milhões de dólares (cerca de 48,6 milhões de euros). Mais de metade desta participação indirecta na TAP foi vendida à Global Aviation Ventures LLC, um fundo norte-americano de capital de risco especializado no sector da aviação, por 30 milhões de dólares. O restante passou para as mãos da transportadora aérea brasileira Azul S.A. em troca de 25 milhões de dólares.

Reino Unido: Taxa de desemprego recua para mínimos desde 1975

A taxa de desemprego no Reino Unido desceu para 3,9% no trimestre entre Novembro e Janeiro, menos uma décima que no trimestre anterior e o valor mais baixo desde 1975. O emprego aumentou para 32,7 milhões, mais 222.000 face ao trimestre anterior e equivalente a uma taxa de 76,1%, a mais alta desde que se começaram a fazer registos em 1971. Nos 12 meses terminados em Janeiro, os salários médios dos trabalhadores aumentaram 3,4% e o número de vagas de emprego para 854.000. O número de pessoas consideradas economicamente inactivas, que não trabalham nem procuram emprego, desceu para 8,5 milhões nos três meses entre Novembro e Janeiro, menos 117.000 cidadãos que no trimestre anterior, e representativa de 21% da população activa, um mínimo de sempre.

Europa vai desviar mil voos diários para evitar saturação

A Europa vai desviar diariamente, no próximo Verão, cerca de mil voos que sobrevoariam Alemanha, Franca e outros países do continente, para evitar uma saturação naquele espaço aéreo como aconteceu em 2018. A informação foi avançada pela agência EFE. Após os problemas sofridos em 2018, “se não se fizer nada”, este Verão verificar-se-á um “quase colapso”, em termos técnicos, porque aqueles centros de controlo do tráfego aéreo vão ter menos capacidade do que no ano passado, devido a um novo aumento do tráfego e a um número insuficiente de controladores, diz a agência. Face a estes constrangimentos, Espanha irá assumir diariamente a gestão entre 150 a 160 desses voos.

Cerca de 86% das empresas portuguesas não cumprem prazos de pagamento

Apenas 14,2% das empresas portuguesas cumpriam prazos de pagamento no final de Fevereiro. Ou seja, perto de 86% não cumprem os prazos. Segundo a Informa D&B, o número de empresas que não cumprem prazos de pagamento mantém-se o mais alto de sempre. Um fenómeno, diz, que “é transversal a todas as regiões do país e a todos os sectores de actividade”. Entre as empresas que não cumprem os prazos de pagamentos, 65,5% fazem-no com um atraso até 30 dias. A percentagem de empresas com atrasos superiores a 90 dias é de 7,4%, valor semelhantes ao do mês de Janeiro deste ano. A média de atrasos nos pagamentos face aos prazos acordados foi, em Fevereiro, de 26,5 dias, valor idêntico ao que se regista desde Dezembro de 2018.